4.10.11


-"Provérbio mais do que acertado sr Pompeu!"

-"É verdade dona G. mas não passa de um provérbio!"

-"Os provérbios existem porque têm algum fundamento sr Pompeu!"

-"Sim, mas não se podem levar à letra dona G."

-"Se eu juntasse a sabedoria de hoje com a energia de outrora..."

-"Seríamos todos uns super homens e umas super mulheres dona G!"

-"Eu teria feito tudo ao contrário e teria tido menos dissabores na vida sr Pompeu!"

-"Essa agora deu que pensar dona G..."

-"Está a ver onde quero chegar sr Pompeu?"

Fez-se silêncio na mercearia Harrieta e quando dou por ela, o Pompeu tinha os olhos rasos de água. Perguntei-lhe o que tinha. Ele de voz embargada e muito constrangido, disse: -"Não tenho nada dona G... esse é que é o problema! Sou um homem vazio por dentro e por fora! Nunca conheci o verdadeiro amor por medo, nunca me atrevi a a procurá-lo por covardia e nunca tive um dissabor na vida, porque antes que a vida me sacaneasse, afastei toda a gente do meu caminho, magoando antes que alguém me pudesse magoar a mim..."

Saí de lá confusa com a revelação minha amiga... Que seria aquilo afinal? Porquê comigo? Simples desabafo de um velho para outro? Ou uma confissão apertada no peito que saltou fora por não ter mais margem para se conter?...

 

Um beijo com saudade,

 

G.

 

link do postPor A Velha Amarga, às 08:57  comentar

30.9.11

 

 

Fui à mercearia e encontrei a tonta da Josefina, que evito sempre que posso, porque aquela quando sai à rua leva sempre metro e meio de língua atrás!

Bem, ia eu tão embrenhada nos meus pensamentos Harrieta, que nem dei por ela! Quando vou a entrar, embati no Pereira que trazia um saco de legumes e frutas. Resultado: Os legumes e as frutas esparramaram-se todos rua abaixo... -"Oh Sr Pereira, peço imensa desculpa, deixe-me ajudá-lo!" -"A culpa foi minha que não a vi dona G..." -Toca a apanhar os tomates do Pereira, todos pisados e molengas, coitado do homem, aquilo agora só mesmo pra bolonhesa, que pra salada já não dava... Quando lhe passei a saca, ele em vez de agarrar nela, agarrou-me a mão e não largava! Estava trémulo e passava o lenço pela testa! Disse-lhe na brincadeira que a asa não era a minha mão e ele ficou muito corado e o bigode retorcia! Olha que o interesse dele, afinal, parece que se mantém! Mas eu, nada, claro! Tenho a minha dignidade e não me ofereço ao desbarato! Concluíndo: A parva da Josefina, que estava lá dentro a cuscar tudo, deixou o Pereira ir embora e disse-me em tom de inocência sarcástica: -"Oh dona G., bom dia! Então a senhora esmagou os tomates ao sr Pereira?!...Olhe que ele está viúvo mas ainda não largou o luto... a mulher dele era mesmo boa pessoa, coitada, morreu tão nova...."- Bem, olha... apeteceu-me cometer um crime ali mesmo, em plena luz do dia e rodeada de testemunhas e tudo! Aquele pescoçozinho de abutre careca estava mesmo a pedi-las, e só não lhe deitei as mãozinhas ao gasganete, porque porque e também porque o pobre do Pompeu interrompeu logo ali a conversa e mudou de assunto antes que um motim lhe arruinasse a mercearia toda!

Porque sou uma pessoa educada e simpatizo com o homem, fiz as minhas compras, sai e esperei que ela saisse também. Agarrei-a por um braço quando ela  ia a colocar o pezinho na soleira e disse-lhe: -"Vamos tomar um cafezinho, venha que eu pago!" -Podes crer Harrieta que a Josefina quase me teve um ataque ali  no meio da rua, e muito caladinha veio comigo até ao café, sentei-a quase à força, pedi o café, bebi-o, e por fim disse-lhe com toda a serenidade do mundo: -"Sabe, minha querida, havia uma senhora nos EUA, que gostava muito de dar à língua e de falar da vida alheia, meter o nariz onde não era chamada e pôr  tudo em reboliço... Uma pobre de espírito, enfim.... Sabe o que é que lhe aconteceu? Sabe? Não sabe? Ohhh, deve ter ouvido falar concerteza pois isto passou-se não vai há muitos anos... Deu no Telejornal e tudo! Uma vizinha a quem ela tinha dado cabo da vida com o leva e trás, pegou na faca da carne e traçou-lhe a língua fora!! Verdade minha amiga! Que um raio me caia em cima se eu minto!... Bem, olhe, agora tenho mesmo de ir que se faz tarde! Obrigada pelo cafezinho, sim? Até um dia destes! Gosto em vê-la!"

Saí aliviada! 

 

Beijinhos,

 

G.

 

 

 

 

link do postPor A Velha Amarga, às 09:49  comentar

29.9.11

 

 

Tenho uma janela com vista para o prédio da frente, não sei se te lembras Harrieta.

Pois então, estava eu um destes dias a limpar a dita, quando ao passar o limpa vidros vejo a maior "pouca vergonha" que alguma vez pensei ver!

Não é que mesmo por cima da mercearia, está um grupo de estudantes (moças), que eu tinha como boas raparigas (pacatas), e quando olho, vejo uma delas com um rapaz na cama, a fazer coisas que nem naqueles canais de adultos, coisas que nem eu sei o que são, coisas que nem te passam pela cabeça mulher!

"Eu fiquei pra a minha vida"! Era ele por cima, ele por baixo, ela pra frente e pra trás, vira, revira, enrola, rebola, gira, torçe e eu sei lá... A mocita, que parece que vai pra freira, é mas é o diabo de saias! Ou melhor, sem elas! Sem elas e sem o resto, que aquilo devia ser p´rali um calor, que estava a ver que a cama pegava fogo e tudo!!

Eu a pensar que já tinha visto de tudo na vida! A pensar que com esta idade ninguém me ensinava nada... olha... aprendi mais naqueles minutos do que em toda a minha vida! Nunca pensei que a coisa se pudesse fazer de tantas maneiras diferentes! Baixei a persiana e fiquei a espreitar! Fiquei olha, quero lá saber o que te vai pela cabeça agora! Fiquei e pronto! Tu também ficavas! Deu-me cá uma raiva por já não ter aquela idade, que quando o espctáculo acabou, fui vestir o fato de treino e fui direitinha ao ginásio! Pedi para fazer a aula mais pesada que a minha idade aguenta! Dei-lhe com tanta energia que até sai de lá com as pernas a tremer...

Eu vou pôr-me em forma e vou arranjar namorado, vais ver! Quero pôr em prática os meus mais recentes conhecimentos e descontar o tempo perdido aha!!

Caramba! Quando era nova eu até nem gostava muito de fazer aquilo, porque era sempre tudo igual, chato e monótono e acabava depressa, e eu, ficava sem perceber muito bem se me tinha sabido bem ou se me tinha sabido a pouco, e depois, o Juvenal começava a roncar e eu ficava cheiinha de dores de cabeça... e quando foi do Lopes, olha, levantava-se logo, vestia-se e dizia que tinha outros afazeres. É que eu, pelos vistos, também era considerada um dos seus afazeres... Pronto! Ficaste a saber que foram dois... Caramba! Dois namorados até que nem é muito! Dois, mas não os dois ao mesmo tempo Harrieta!! Quando eu e o Juvenal terminamos, tive um namorico com o Lopes, mas não foi nada de sério... Se eu soubesse o que sei hoje, não me tinha era contentado com tão pouco e tinha mas é aproveitado a vida!

 

Despeço-me afoita e ainda nada recomposta com o que vi! Ai que não me sai da cabeça! Achas que posso estar tola Harrieta? 

 

Até amanhã,

 

G.

 

 

 

 

 

 

 

link do postPor A Velha Amarga, às 12:57  comentar

16.9.11

 

Querida Harrieta,

 

Espero que te encontres bem aí onde quer que estejas!

Bom, a propósito do que te disse na última carta, sabias que sempre foi verdade aquilo dos "novinhos" da casa do fundo?!

Não é que o marido sempre a apanhou com o colega e lhe deu cabo do cabedal? Bem, cabo é como quem diz... Deu-lhe uma trepa com a espigarda de chumbos, mas como não estava carregada, -segundo uns- ou estava encravada, -segundo outros- deu-lhe com ela nos costados e pimba! 

Mas pra mim, ela é que é a depravada! Levou-o para casa. Ao menos que fosse para um hotel, não achas? Mal por mal, ao menos que as fizesse bem feitas...

A casa já está vazia e deles não se sabe nada. Parece que o outro nem apresentou queixa à polícia. Também... queixar-se de quê? Foi fazer o que não devia, em casa alheia, com a mulher do próximo, e ainda se ia queixar?! Até o diabo se ria! Olha, por falar em diabo, sabias que a ardida da minha nora, depois de tudo, me telefonou a perguntar se quero ir lá almoçar no Domingo?! Isto é cá uma lata!! Disse-lhe que já tinha compromisso! Não tenho, mas pronto! Até vou sair de casa, não venha ela cheirar a ver se estou ou não estou. Vou à missa das 11h e depois vou caminhar um bocado no parque, a ver se a ferrugem não me pega... e pode até ser que a missa me ajude e um milagre aconteça, e eu conheça alguém interessante por lá...

Olha, o meu filho passou por cá esta semana, mas não tocou em nada.... Ela também anda como se nada fosse. Deve vir pra pedir alguma coisa... Dinheiro não tenho, por isso bem pode tirar o cavalinho da chuva. É uma flauzina. Eu bem dizia que ele devia era ter casado com a filha do juíz que é morgada e tem baú, mas a moça também é feiinha como a noite, coitada... continua encalhada. Aquela, o melhor era ir para o convento... ninguém lhe vai pegar... aquilo nem com uma plástica lá ia...

Ah! É verdade! Vi o Sousa Martins um dia destes. Mulher, aquilo é que está um charme!... As brancas dão-lhe um ar distinto. Parece um conde, todo aprumado. Tem porte de atleta. Deve andar no ginásio... Gostava de ter visto a mulher. Deve estar cá uma matrona!... Ficam todas depois que se casam.

É eles a melhorar como o vinho do Porto e elas a oxidar como o bagaço do meu avô! Foi por isso que nunca me casei! Eu sabia que no dia em que ficasse estúpida, ia cair na lábia dos Homens! Sim, que o que eles querem é uma criada pra todo o serviço e mesmo assim não chega, porque depois ainda vão procurar fora o que não lhes basta em casa! Mas eu não!! Eu tive um filho, mas não tive patrão! Irra!! Pro diabo que os carregue a todos!  -Estou a falar dos maridos e não dos Homens, filha- Eu sou como a Amália Rodrigues -"Dormi com eles na cama, tive a mesma condição!" mas só isso, que liberdade é boa e eu gosto!

Que te parece o Pereira? Lembras-te dele? O que mora com a filha nos blocos vermelhos desde que ficou viúvo. Ontem encontrei-o na paragem do autocarro e acho que estava a olhar para as minhas pernas. Modéstia à parte, eu sempre tive umas belas pernas. Bem, para tirar a dúvida, coçei o joelho e levantei um bocado a saia. Foi certeiro. À medida que a saia subia, os olhos dele arregalavam-se por cima dos óculos e até o bigode retorcia! Mas eu nem olhei! Sabes que eu me dou ao respeito! Não pensem agora que isto é de Joana, e que eu ando por aí desesperada atrás do primeiro que aparecer!

Pois não sei...se ele estiver realmente interessado, há-de fazer-me chegar o interesse, não achas?

É... vou continuar firme a ignorar as investidas que assim é que eles gostam! Mulheres difíceis!

Vou terminar querida amiga, pois ainda vou levar o cão à rua (vou aproveitar para espreitar o jardim dos Bastos. Está lá uma carrinha a descarregar qualquer coisa). Beijinhos, beijinhos, beijinhos.

 

Fica bem, aí onde quer que estejas,

 

G.

 

 

link do postPor A Velha Amarga, às 20:27  comentar


 
mais sobre mim
Outubro 2011
D
S
T
Q
Q
S
S

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


arquivos
2011

subscrever feeds
blogs SAPO